Feeds:
Posts
Comentários

Archive for novembro \11\UTC 2009

O peso da Arca

A Arca da Aliança é sem dúvida a maior simbologia da presença de Deus no meio do povo durante o antigo testamento. Deus precisava de algum objeto que simbolizasse sua presença, seu poder, pois o povo não tinha noção do tamanho do nosso Deus, o povo não sabia nem pra onde olhar para vê-lo. O relacionamento era restrito ao sacerdote, ao profeta.

Então o Senhor instituiu a Arca da Aliança conforme lemos em Êxodo 25. Deus, como sempre, foi bem claro no que ele queria. Vou abrir um parêntesis aqui: sabendo-se que Deus sempre era bem claro no que ele queria (podemos confirmar isso em toda a Bíblia), e afirmando que Ele não mudou e jamais mudará (vide Bíblia também), como então vemos hoje em dia tanta gente perdida na vontade de Deus? A grande maioria dos crentes não sabe sequer qual o real motivo de ter nascido e estar convertido. Viajam por todos os ministérios, não sabem ouvir a voz de Deus e nunca conseguem entender, durante uma pregação, quando Ele está falando diretamente com elas. Se Deus não mudou, e além de tudo Ele é perfeccionista no que faz então de quem é o problema? Pense.

Este parênteses foi proposital, pois quase a totalidade dos crentes hoje simplesmente não sabe o significado e a importância de se levar a arca. Alguns, na vontade de fazer algo para Deus e achando que estão certos, caem no mesmo erro que Uzá cometeu. Em 2 Samuel 6:6 vemos que Davi estava levando a arca para Jerusalém, numa alegria só. Ela estava em cima de um carro puxado por bois e, num determinado momento, ela parecia estar caindo do carro quando Uzá segurou-a para que não caísse no chão. Uma boa intenção, como quase todos os atos que vemos nas igrejas de hoje. Mas sabe aquele ditado popular que diz “… de boa intenção o inferno ta cheio”? Pois, o que lemos na seqüência é que ele foi morto instantaneamente por tocar na arca e Davi entristeceu-se.

Você pode perguntar: Mas qual o motivo? A intenção dele era que algo sagrado não caísse no chão, quem sabe até livrando-a de alguma eventual rachadura ou dano maior.

Vamos voltar um pouco no tempo.

Houve uma guerra entre os israelitas e os filisteus. Aliás, houveram várias e aqui vale outro parênteses: não pense que quando você vence o diabo numa batalha, ele nunca mais o incomodará. Você pode derrotá-lo em uma área da sua vida ou em algum ministério que estava sendo atacado na sua igreja. Mas saiba que ele se levantará e virá por outro caminho. E não sejamos como Israel, que decepcionava nosso Deus e, por causa disso, perderam várias batalhas para os filisteus. A receita é simples: com Deus temos vitória, sem Deus, estamos à mercê de nossas próprias forças. Poderemos até ganhar, mas nem deveremos atribuir essa vitória a Deus, pois estaremos sozinhos!

Nesta guerra, citada no início do parágrafo anterior, os filisteus acabaram levando, ou melhor, roubando a arca da aliança, como já dissemos anteriormente, o maior símbolo da presença de Deus entre o povo de Israel. Não preciso dizer que isso soou terrível em todo o Israel de Deus. Imaginem só, o inimigo levou o “lugar” onde Deus habitava, ou seja, acabou levando a própria presença de Deus.

Eu consigo imaginar o povo de Deus cabisbaixo, ferido, alguns mortos, outros tão fracos a ponto de não conseguirem levantar-se, porém todos olhando ao longe e vendo os filisteus colocando a arca sobre um carro e levando-a embora, festejando a vitória, festejando também a certeza que Israel sem a arca não seria nada. Da mesma forma acontece conosco. Quantas vezes o inimigo acaba derrotando irmãos e deixando-os caídos, prostrados perante ele, sem a presença do nosso Deus? Alguns irmãos negam sua fé, acabam até colocando a culpa no Senhor. Ficam vazios, sem a presença de Deus, abertos totalmente a ataques do inimigo. Isso é triste, mas acontece em todas as igrejas.

O que os filisteus não sabiam é que Deus não poderia habitar no meio deles. Deus não habita em templos imundos, Deus não divide sua casa com nenhum outro deus feito por mãos humanas. Colocaram Deus junto de uma imagem, do deus Dagom. O que aconteceu todos sabem, ou melhor, deveriam saber. Na primeira noite, Dagom amanheceu prostrado com o rosto no chão, à frente da arca. Os sacerdotes arrumaram tudo e no outro dia o resultado foi ainda pior. Dagom estava na mesma posição, prostrado no chão, só que com a cabeça e as mãos cortadas. Só ficou o tronco. GLÓRIA A DEUS! Se Deus age com poder e derrota o diabo e seus anjos, imagina o que não pode fazer com um simples pedaço de madeira ou barro? É igual a bater num morto! E não ficou só nisso. Deus derramou uma peste sobre eles e a vergonha foi geral. No final da história, ninguém queria ficar mais com a arca e resolveram devolvê-la a Israel.

Tremendo, não? Nosso Deus sabe o que faz. Ele permitiu que a arca fosse roubada para que o inimigo soubesse com quem ele está mexendo.

Muitas vezes nem nós sabemos o Deus que temos. O quão Ele pode fazer por nós quando precisarmos. Olhamos para nossos inimigos com medo, quando o normal seria rebaixá-los diante da nossa presença. Temos medo quando um vizinho faz alguma obra de macumbaria, quando o correto seria orar, limpar tudo e voltar a levar a vida normalmente. Morremos de medo quando um colega de trabalho fala que é espírita ou maçom, quando o ideal seria mostrar a eles o Jesus que temos dentro de nós. Sabe por que Deus não abre nossos olhos espirituais? Porque é muito fácil pra nós colocarmos a mão num enfermo ou perturbado e expulsar o espírito que está ali no nome de Jesus. Agora quero ver você fazer isso quando conseguires ver realmente o espírito imundo que opera ali. A tendência é que você saia correndo de medo, mesmo sabendo que Deus está contigo e há anjos com espadas desembainhadas lutando em teu favor.

Como podemos ter medo do inimigo sabendo o potencial do exército celestial que peleja a nosso favor? Fazendo isso saiba que estás menosprezando o poder do teu Deus. Jesus disse que estaria conosco até o fim dos tempos. Isso me conforta, me consola e me deixa de peito estufado para enfrentar os problemas. Só que pra muitos, isso não serve de nada. Qualquer problema que surge no emprego, já vai correndo chorar para o pastor. Qualquer doença que assola já fica no desespero e pensa até na morte. Irmão, se estás agindo assim, tua fé deve ser muito menor do que o famoso grão de mostarda que Jesus enfatizou na sua palavra. Vou mais além, acho até melhor não saíres por aí espalhando que Jesus cura, salva, derrota os inimigos, liberta, etc, etc, etc, pois tu mesmo não tens certeza disso. Como podes dizer que Deus liberta se a qualquer sinal de batalha já vais correndo chorar as mágoas para o pastor ou qualquer outro irmão em Cristo?

Todo o exército de Israel estava assim, morrendo de medo de Golias, até o momento que Davi chegou e encerrou o assunto.

Quantos Davi’s temos hoje nas nossas igrejas? Olha, sendo otimista, existem igrejas que não possuem sequer um deles! Drástico né? Mas real. Muitas igrejas até falam mal de Davi, pois ele cometeu pecados gravíssimos com conseqüências ainda mais sérias. No entanto não recordo de ler na Bíblia outro homem reconhecido como “segundo o coração de Deus”. Esse título pra mim seria o apogeu da minha caminhada no Senhor. Esse título apagaria qualquer mancha de pecado ou ato que eu possa ter cometido no meu passado. Esse título faria com que o diabo colocasse um cartaz no inferno, com minha foto, e abaixo dela uma inscrição: “Tomem cuidado com este cara!”.

Mas sabe por que as pessoas não querem ser como Davi era? Simples. Pelo simples motivo que ele reconhecia seus erros, ele tinha uma facilidade fora do comum de prostrar-se perante Deus e reconhecer que não merecia estar em sua presença. Hoje, a grande maioria dos irmãos, crentes fiéis (mais à igreja do que a Deus) simplesmente não conseguem fazer o mínimo, que é perdoar seu familiar, seu irmão em Cristo. Há alguns dias eu estava ministrando o louvor e toquei neste assunto. A palavra de Deus é bem clara: “se perdoarmos nosso próximo, nosso Pai que está no céu nos perdoará. Se não perdoarmos nosso próximo, tampouco Deus nos perdoará”. Se Ele não nos perdoar, onde viveremos nossa eternidade? É um raciocínio simples e lógico. Garanto que a maioria de vocês que está lendo este texto já está começando a lembrar situações as quais ainda precisam ser arrumadas. Sendo assim, te digo: Corra enquanto é tempo!

Esse cinismo encontrado nas igrejas acabou gerando uma geração de Uzá’s. Pessoas que estão na igreja, trabalham para o Senhor, ajudam o pastor, têm cargos, ministérios, pequenos grupos, no entanto não estão levando a glória de Deus como ela deveria ser conduzida. A única diferença é que Uzá morreu, digamos assim, sem saber ao certo o porquê. Ele acabou pagando o preço por causa da inobservância de Davi e dos sacerdotes, não obedecendo às normas que Deus enviara para a condução da arca. E nós, hoje, não podemos nos achar como ele. Todos estamos cientes e no fundo sabemos quando erramos ou não. O difícil é aceitar e externar nosso sentimento de arrependimento ou mudança de atitude. Para muitos o ato de arrepender-se externa um estereótipo fraco, pecaminoso. Mas essa não é nossa natureza? Você tem medo de mostrar-se arrependido e rebaixar-se a um irmão “hierarquicamente menor” nos padrões organizacionais da igreja e acaba mantendo um caráter duro, petulante e mesquinho. Nós não fazemos isso porque achamos que as pessoas pensarão que somos fracos, que somos suscetíveis a erros. E por acaso não somos? Estamos preocupados com nossa aparência na igreja. Temos medo e vergonha de subir ao púlpito e pensar que os irmãos nos olharão e com seus olhares dirão: “aquele ali pediu perdão publicamente porque traiu a esposa mês passado” ou talvez “esse é o irmão que mal tratou um dos seus comandados e teve que humilhar-se perante a congregação”, e aí vai. Para isso nossos irmãos são os mais criativos possíveis.

Se você está preocupado com esses falatórios pagãos (palavra forte, não?) acho que deveria pensar de uma forma diferente. Você está preocupado com o que os irmãos vão falar quando te arrependeres ou te humilhares? Preocupado com o que dizem pessoas como você, que muitas vezes cometem atos piores? São eles que te salvam? São eles que perdoam os teus pecados e te lavam com o sangue de Jesus que foi derramado para nossa purificação? Acho que deverias te preocupar mais com Deus, que aprova esse tipo de atitude de expressão do arrependimento e começa a te ver como “alguém segundo o Seu coração”. Ou você imagina que Deus não conheça nossa natureza pecaminosa e não se impressiona quando erramos? Ele sabe que somos fracos e que “dar um pouco mais de corda” podemos tropeçar.

Mas, voltando à morte de Uzá. Uma coisa me impressionou muito neste texto. Quando os filisteus roubaram a arca eles a levaram, creio, num carro. Ou crês que eles obedeceram à ordem de Deus onde dizia que a arca deveria ser levada nos ombros dos sacerdotes?

Isso vem acontecendo em muitas igrejas hoje em dia. Igrejas que adoram a Deus e o servem nos padrões do mundo. Há igrejas que trouxeram simpatias e adereços anteriormente somente usados na umbanda e candomblé. É rosa, é sabonete, é arruda, é pastor vestindo desde a cueca até o paletó na cor branca. Coisas importadas de seitas afros e afins. Em breve teremos pastores lendo mãos, jogando cartas ou quem sabe até vendo se o irmãozinho irá ou não para o céu através de um jogo de búzios! Impactante? Espere então alguns anos.

Igrejas que menosprezam a oferta da viúva pobre e só querem receber membros abastados. Pastores com o nome sujo na praça apregoando salvação enquanto não consegue salvar a si próprios. Igrejas que se preocupam mais em transformar seus membros em empresários de sucesso, quando que, para Deus, o sucesso está em prosperar nas coisas do reino. Salvação? Isso já temos de graça. Vamos à luta, tirar o que é do ímpio, tomar posse dessa terra! Crentes e mais crentes morando na ilegalidade em países do primeiro mundo, pelo simples fato de que lá ganham mais dinheiro do que aqui, quando Deus nos diz que “dele é a prata, dele é o ouro”. Um dia falei para um irmão: “Se Deus quiser que fiques rico, ele vai fazer com que vendas cobertores no nordeste e ficarás rico. Afinal ele é ou não é Deus?”. O divórcio já faz parte do corpo de Cristo nos dias de hoje. Na lei mosaica havia casos onde o divórcio era aprovado. Jesus veio pregar o perdão e o amor. Por que para alguns casos as igrejas adotam modelos do antigo testamento e para outros assuntos agem como Jesus ordenou? Isso faz parte do evangelho light, que citei em outro artigo escrito mês passado. A Bíblia é um livro e cabe a nós adotar ou não o que está escrito. Queria que, se fosse possível, cada um fizesse um exercício bastante simples. Pegar uma Bíblia e retirar as páginas com as quais não concordamos, ou que não cumprimos. Retirar as páginas que falam do perdoar 70 x 7, uma vez que não perdoamos nosso irmão do corpo, cônjuge, familiar ou vizinho mundano. Retirar grande parte do livro de Atos, onde diz que as viúvas e os órfãos eram amparados pelos irmãos. Rasgar o texto onde diz que os primeiros cristãos vendiam suas propriedades e depositavam o dinheiro aos pés dos apóstolos para que a igreja fosse mantida e os irmãos necessitados recebessem conforto. Queimar na integralidade o livro de Jó, onde um homem justo e fiel perdeu família, amigos e todos seus bens pelo simples motivo que o diabo solicitou a Deus um teste para ver se ele permaneceria ou não fiel. Este livro deveria ser queimado por todas as igrejas, pastores ou qualquer crente que prega uma vida com Cristo regada a maravilhas, quando Jesus nos disse que teríamos aflições. Pregam uma vida de riqueza, quando Jesus disse que não tinha onde repousar sua cabeça. Disseminam com alegria uma vida só de saúde e sem enfermidades, quando Deus disse a Paulo: “a minha graça te basta”.

Você já imaginou João Batista nos tempos de hoje? Não haveria necessidade de aparecer uma Herodias e solicitar sua cabeça. Antes mesmo disso já seria apedrejado, quando entrasse em qualquer igreja evangélica, subisse ao púlpito e falasse ao povo: “raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento”. Ou todos em sua igreja agem como cordeirinhos?

Sei que estou sendo bastante duro nas palavras e que igreja é lugar de restauração, de mudança de vida. Por isso que aceitamos todo tipo de gente e pregamos o verdadeiro evangelho e amor pelo pecador (ou pelo menos deveríamos). Mas quero salientar que este texto não é direcionado a estes e sim aos membros já antigos, que têm cacoetes do mundo enraizados em suas mentes e não deixam que Deus os venha controlar na sua totalidade. A estes sim o Pai vai acertar contas no juízo final.

Por que temos que trazer modelos mundanos para nossos templos?

Por que não conseguimos cicatrizar de vez antigas feridas trazidas do tempo em que tínhamos uma vida totalmente fora da vontade de Deus?

Por que não conseguimos perdoar?

Por que perseguimos irmãos dentro da própria igreja?

Por que as igrejas têm servido como posto de gasolina, aonde o irmão chega vazio, enche-se rapidamente e sai para esvaziar-se de novo?

Por que estamos na unção, cantando, falando em línguas, caindo no poder de Deus, mas quando, no final do culto, nosso irmão pisa no nosso calo, a coisa fica feia?

Por que não obedecemos nossos líderes?

Por que há tanta murmuração dentro da igreja?

Por que não somos sensíveis ao espírito santo? Que além dos gemidos inexprimíveis perante Deus agora também precisa gemer para que demos bola pra ele?

Não escrevi este texto para mudar seu caráter. Ele já está feito. Cabe a você fazer com que ele se pareça cada dia mais com o de Cristo. Escrevi este texto para despertar nas pessoas aquela pequena chama que ainda queima, esperando um combustível para que venha a queimar por completo.

Não posso mudar teu modo de pensar. Quanto aos casos citados aqui, não me impressiono com nada disso. A própria Bíblia fala que quando Jesus voltar em glória, muitos dirão que fizeram a obra, expulsaram demônios, ministraram milagres e converteram multidões. No entanto Jesus lhes dirá: apartai-vos de mim malditos para o fogo eterno.

A esses, hoje, só um mover muito grande de Deus para mudar seus pensamentos, seu modo de viver o evangelho que acham que é certo.

Mas você pode hoje ainda pedir a Deus que revele a sua real vontade, o plano ideal para sua vida. Esqueça de tudo o que já viu. Abra sua mente e olhe somente para a cruz de Cristo. É dali e somente dali que vem a salvação. É dali e somente dali que vem a cura. É dali e somente dali que vem o conforto de sabermos que um dia, por mais que nossa vida hoje seja difícil, estaremos gozando com ele da glória que há de vir, de uma cidade construída com amor e planejada para que passemos a eternidade num conforto e paz jamais imaginados nesta terra. É isso que eu busco e é isso que devemos almejar.

Não pense que Deus ainda não aposta em você.

Ele investe tempo, pessoas e ainda cria situações para que você venha a ter um encontro real com ele.

Não pense que Ele não sonha em te encontrar. A cada culto Ele está lá, na primeira fila, como um professor com a lista de chamada, te esperando para te entregar algo novo, algo direto do céu.

Levante sua cabeça, olhe para o alto. Faça como Davi que reconheceu que o socorro só poderia vir do Senhor, que fez os céus e a terra. Nenhum outro pode oferecer redenção por nossos pecados. Nenhum outro se preocupa realmente com tua alma, com tua alegria como o nosso Deus.

Analise tudo o que ouves e lês, inclusive este próprio texto. Não te deixes enganar por qualquer pastor ou profeta. Hoje em dia as profecias e palavras parecem sair de uma loja de conveniência onde só se leva o que se gosta. É difícil que recebas algo que confronte a bíblia com teu modo de viver. Então, terás mesmo que procurar em Deus as respostas.

Viva o evangelho na sua totalidade. Não seja parcial. Se na tua congregação cantam aquela música do Fernandinho que diz “tudo o que tenho é totalmente teu”, cante com vontade e certeza que estás sendo sincero. Não adianta ser hipócrita perante Deus porque ele sabe todas as coisas. Nossos irmãos podem até se impressionar com nossa espiritualidade instantânea, mas Deus conhece nosso coração. Ele sabe se aquilo é realmente íntegro e real.

Seja o mesmo na igreja, no trabalho, na escola, nas ruas e principalmente em casa. Deus te vê em todos esses lugares e sabe exatamente em qual deles é mais difícil estar perto de ti.

Submissão, humildade, amor, mansidão e os outros frutos do espírito são palavras que devem te acompanhar a partir de hoje.

Queres ir pro céu? A Bíblia é o manual para isso.

Levante a bandeira do evangelho e vamos mudar essa terra.

Influencie outros na tua igreja. Não deixe que irmãos continuem na cegueira em que o evangelho anda ultimamente. Doe tempo, invista tempo. Ore, jejue e acima de tudo ame. Só assim as portas do inferno não suportarão o peso da igreja de Cristo.

Deus abençoe a todos.

Amilton dos Santos Júnior

https://amiltonsantosjr.wordpress.com/

Anúncios

Read Full Post »

Reverência

Talvez uma palavra tão interessante e tão mal entendida pelo povo. Pergunte à igreja o que é reverência pra ver a variedade de respostas que aparecerão.

Haverá aqueles irmãos mais entendidos da Bíblia, mas não mais crentes por isso, que falarão exatamente do que se trata a reverência, com “pontos” e “vírgulas” exatos. Vou abrir um pequeno parêntesis aqui. Você que está lendo este artigo, talvez acabou de lembrar que na sua igreja, é o que menos traz versículos na sua memória. Fica até abismado quando um irmão vai começar o culto ou dar alguma palavra e simplesmente nem precisa da Bíblia, pois sabe de cor e salteado os versículos necessários para aquele momento. Saiba que é evidente que precisamos nos aprofundar nas escrituras. Mas não procure decorar tudo, procure VIVER o que está escrito ali. Deus não quer criar em você uma capacidade incrível de decorar a Bíblia, mas sim um amor tão grande pelo que está escrito que, independente do teu gosto ou pensamento, adotas o texto como padrão de vida. Não esqueça que um dos maiores “decoradores” da Bíblia foi o próprio Diabo, que tentou a Jesus baseando-se só na palavra de Deus. Pense nisso …

Mas voltando ao texto deste mês, ainda há irmãos, a grande maioria, que dirão que sabem o que é reverência, porém não sabem explicar. Ou dizem que está na ponta da língua mas não encontram a palavra certa. Muitos destes sabem viver mais em reverência do que os anteriores, que sabiam explicar à luz da Bíblia o que vem a ser o tema do artigo de hoje.

Há ainda os mais novatos, bebês na fé, que ainda estão aprendendo e começando a viver segundo a palavra. Esses não têm problema em dizer que simplesmente não sabem qual o significado da palavra.

Tudo bem. Nos três casos encontraremos pessoas que vivem ou não em reverência. Para Deus não importa se tens aquela explicação teológica sobre o assunto. O que Ele quer é que entendas que Ele é Deus e que precisa ser respeitado, reverenciado.

Aí é que está o “X” da questão.

Muitos pensam que reverenciar a Deus é entrar numa igreja com a fisionomia de homem sério, sentar-se num banco, não olhar para os lados, fazer com que seus filhos fiquem quietos dentro do templo, cantar todas as músicas ministradas durante o louvor, prestar atenção nos avisos, ouvir e anotar a pregação e acima de tudo entendê-la na sua totalidade, ofertar e dizimar, abraçar um punhado de irmãos e dirigir-se à sua casa.

Irmão, se sua vida na casa de Deus é assim, sinto em te dizer que reverência não está nisso. Tu estás mais focado no que a “etiqueta” diz sobre nosso comportamento dentro da igreja do que na própria reverência ao Pai. Quando Jesus estava falando ao povo, num certo momento, os discípulos espantavam crianças que deveriam, imagino, estar brincando, fazendo barulho, correria, etc. No entanto o que Jesus disse? Que deveriam deixá-las ir até Ele pois delas seria o reino dos céus. Não vim pregar que as crianças devem ser deixadas soltas durante o culto pois sou pai e posso afirmar que não suporto isso. No entanto, independente do comportamento sério ou alegre, Deus está interessado no nosso interior, no nosso amor por Ele e pelas coisas do reino, e acima de tudo no nosso respeito pela sua presença. Eu mesmo, quando estou na casa de meus pais, sou o mais brincalhão possível (para aproveitar o tempo, pois eles moram em Santa Catarina), me divirto bastante, conto um monte de piadas, no entanto, meu respeito por eles excede qualquer outro sentimento que eu possa sentir por meus genitores. Da mesma forma, quando estou na casa de Deus a alegria me toma e muitas vezes tenho que me controlar. Sinto-me realmente na casa do meu pai, meu paizinho. Ali tenho liberdade de fazer qualquer coisa, no entanto sei que Ele está ali e o respeito por meu Deus é maior que qualquer outra coisa que possa acontecer naquele período de louvor e adoração.

No antigo testamento, a única pessoa que deveria preocupar-se com isso era o sacerdote, que adentrava ao tabernáculo e, após uma série de rituais, entrava no santo dos santos para oferecer sacrifícios pela remissão dos pecados do povo. Esse ato ocorria uma vez ao ano e o povo ficava alheio, na expectativa que algo acontecesse, que Deus aceitasse o sacrifício e que um novo ano começasse sem culpa ou dolo.

Hoje, graças ao sacrifício de Cristo, o véu foi rasgado (essa história todos já conhecem) e todos nós temos acesso direto ao pai, para redimir nossos pecados e ter um encontro direto com nosso Deus.

O sacrifício de Jesus foi formidável, sem dúvida. Mas, além de nos oferecer a salvação, ele também trouxe sobre nós uma responsabilidade muito grande. No antigo testamento o sacerdote era o único que entrava na tenda. Se Deus não aceitasse o sacrifício, ele morreria ali mesmo, instantaneamente, e era puxado para fora da tenda pela corda presa ao seu corpo. Já pensou hoje? O grupo de louvor subir ao altar para ministrar louvores e cada um ter uma corda presa à cintura? Pelo que vemos igrejas à fora, acho que seria um verdadeiro genocídio, pois muitos ainda não entenderam que estamos perante o Senhor dos Senhores, o Rei dos Reis, o EU SOU!

É isso que eu quero trazer a você. Deus ainda é o mesmo e sua palavra diz que será para todo o sempre. O mesmo temor e reverência mostrados na Bíblia ainda são necessários. Muitos se escondem atrás da misericórdia de Deus, que é infinita e renova-se a cada manhã. Tudo bem, fiquem assim. Só quero lembrar que a misericórdia não salva ninguém. Não leva ninguém para o céu. O que leva um cristão para o céu é uma vida com Deus, dentro de sua palavra, uma vida lavada no sangue de Jesus, uma vida com REVERÊNCIA.

Só para que entendam o valor que o nome de Deus tinha no passado e a desvalorização dada a este mesmo nome nos dias de hoje, na cultura hebraica, os escribas eram aqueles que escreviam as leis. Eram eles que passavam os textos ditados e ouvidos para o papel. Bem, todos aqueles que estudarem um pouco mais a fundo o trabalho dos escribas saberão que eles tinham uma forma toda especial de escrever o nome de Deus (Jeová). Cada vez que eles ouviam o nome Jeová, eles pegavam outra pena (a caneta da época), escreviam o nome de Deus e depois quebravam a pena para que ela nunca mais fosse utilizada. Alguns dizem que essas penas eram revestidas de ouro. Você já deu um décimo dessa importância ao nome de Deus? Medite …

O ato de reverenciar a Deus também se aplica na nossa convivência com nossos irmãos. Você respeita seu líder ministerial? Você faz cara dura quando o líder do louvor pede para que você abaixe o volume de seu instrumento? Você aceita com amor quando seu líder pede que você fique trinta dias inativo no ministério para que se resolva uma situação de mau relacionamento entre ti e um outro irmão? Você concorda quando uma diaconiza repreende seu filho que só faz bagunça durante o culto? Você concorda plenamente quando o porteiro da igreja pede que você desligue seu celular ao entrar no templo, ou acha que alguém mais importante do que Deus poderá ligar para você durante o culto?

Não esqueça que o mesmo espírito santo que habita em você também habita nesses irmãos, eles também são templos da mesma maneira que nós somos. Então respeite seu próximo, ame seu irmão. Jesus falou: “… tudo o que fizeste a um dos meus pequeninos, a mim o fizeste …”. Então, irmão, saiba que esse versículo serve tanto para coisas boas quanto ruins! Não respeitas, menosprezas teu irmão em Cristo, saiba que a Ele estás fazendo o mesmo.

Se você ainda está em dúvida, busque em Deus e na sua palavra as respostas necessárias. Este é o último artigo sobre a série Louvor com Excelência. Muitos, quando leram o título acharam que seria somente algo sobre música, mas o verdadeiro louvor é entoado com nossa vida, nossas atitudes. É assim que Deus realmente deseja ser louvado. Sua atitude no trabalho ou na escola deve ser um perfeito louvor ao Senhor. Do mesmo modo dentro da igreja, não só no período de louvor, mas em todo o tempo, respeitando nosso irmão, investindo na obra, entregando-se.

Read Full Post »